terça-feira, outubro 07, 2008

PRECISO DE AJUDA URGENTE


Por favor ajudem-me, estou muito doente. Vivo na comunidade de gatos do cais da Rocha, junto ao SPEAKEASY e estou desidratado, muito constipado e sei lá que mais. Sou o gato amarelo...
Fotografia tirada a 7 de Outubro de 2008 numa tarde de sol depois de ter caido muita chuva em Lisboa...

5 comentários:

Rodrigues disse...

Está com um ar muito doentinho...
ET, que foi feito do grupo do Felinus que dava apoio a essa colónia, fazes ideia? Eu nunca mais frequentei o Felinus, por isso não sei.

Rodrigues disse...

ET,
acabei de receber confirmação de que o gato está a ser tratado. :)

Podes ler sobre isso no Felinus, num tópico do "Ajuda Precisa-se".

Gatos e Gatinhos disse...

Gatopardo

Nunca mais apareceu para ajudar mas agora já estão todos TRATADOS e o amarelo tem mais de 15 anos e nao está doente, ESTÁ VELHO

Já foi internado para tratar a bronquite e nao está desidratado, está velho. Vamos lá todos os dias dar latas sobretudo por causa dele.

Antes de lanças este tipo de comentários era bom bir aqui ler o que temos feito. Coma Nina gastamos 300 euros e Vesguinho entre outros estiveram todos internados.

O gato amarelo está feliz ali. HÁ UM ANO QUE ESPERAMOS QUE MORRA E ELE VAI AGUENTANDO.

Ali é feliz. E cuidado por nós.

Ana

escorpiaotinhoso disse...

Obrigado pelos comentários. O gatinho amarelo ontem estava muito diminuido, mais do que a fotografia mostra. Tenho estado no estrangeiro, para onde volto amanha por um período mais curto. De vez em quando vou visitar estes meus amigos e de facto vejo vestígios de outros apoios, mas há muito tempo que não encontro ninguém.
Em nome da solidariedade felina, obrigado a todos os Amigos dos Animais...

Ana Páscoa disse...

O Lázaro não está doente.
è um gato extremamente velho!
Todos os dias quando o avistamos pensamos como ainda está vivo.
Já esteve internado para tratar a bronquite. Todos os dias lá vamos levar lata porque já não consegue comer ração seca.
Vive feliz, come, apanha sol, está com os seus amigos.
E quando chegar a sua hora partirá, no sitio onde viveu toda a sua vida a ver o Tejo.

Ana Páscoa