segunda-feira, março 03, 2008

GATA DA TRAVESSA DO FALA SÓ




Lisboa cidade dos gatos. Por aqui e por ali. Gatos bonitos, às vezes com o sofrimento estampado, mas quantas vezes não é esse o custo da liberdade?
Lisboa cidade das gatas tranquilas. Como esta, em fundo de azulejos...
Fotografia do GATOPARDO - 2008

12 comentários:

Alexa disse...

Que gata lindíssima! Muito parecida com a Júlia, uma das gatas da minha mãe.
As fotos, como sempre, estão lindíssimas... quase parece que o azul dos azulejos faz ressaltar a beleza desta gata!

Gostei muito da história sobre os gatos de Sarajevo. Obrigada!

Gatopardo disse...

Te saludo, homónimo portugués y amante de los gatos.
En este enlace hay un poema al gato de Clotilde Tambroni, que colabora en mi blog:
http://gatopardo.blogia.com/2006/032901-mi-gato.php
Perdon por no escribir en portugués
Un saludo cariñoso

caniche vagabundo disse...

Eh... que lindas fotografias... como sempre!!!!

DB disse...

Eu AMO esse blog! Um espaço pros lindos gatos anônimos por ai!!!

isabel disse...

Esta menina é linda
Desde a pelagem até ao olhar
Que bonita

isabel disse...

Esta gata é linda

isabel disse...

Esta gata é linda

Ezequiel Coelho disse...

Viva!
Depois de ver tanta fotografias de gat@s.. fiquei esgatado!!! ;)

São muito bonit@s @s modelos, assim como a dedicação que lhes tem!

Sempre gostei muito de gatos, mas por puro egoísmo... optei por não ter nenhum em casa (Em Lisboa, porque no campo tive alguns)
Além disso "tenho" de enxotar do meu jardim, os gatos da vizinhança (custa-me muito), porque não posso ter nada plantado de novo...
Nem com o Plectanthrus Neochilis eles se intimidam...

Parabéns pelo seu Blog!

Biranta disse...

A Extinção Dos Gatos!



A foto da gatinha Joana, no site da União Zoófila.
O Extermínio Dos Gatos

Uma reportagem que vi, há tempos, sobre a eficiência dos predadores, colocava no topo da lista uma gatinha doméstica, muito dócil e meiga, que saía para caçar, à noite, nas ruas de Nova Iorque, matando cerca de duas dezenas de ratos.
A gatinha era tão dócil e tão amiga dos donos que lhes trazia, de presente, vários dos ratos que matava e que espalhava pela casa. Comia um ou dois, no máximo.

Conheço 3 colónias de gatos de rua; duas delas já foram quase totalmente dizimadas. Todas têm uma característica comum: uma amiga dos animais que os alimenta e a quem eles agradecem muito, do seu jeito próprio… Todas estas amigas dos animais são “gente simples”.
Uma destas colónias foi dizimada com veneno: vários gatos foram envenenados, reduzindo a colónia, que chegou a ter mais de vinte gatos, a meia dúzia. A tratadora reconhece que trata os bichos porque gosta de animais; e também porque os gatos evitam males maiores: a infestação de ratos.
Mas esse é o “acordo” tácito, estabelecido entre pessoas e gatos desde há milénios: nós cuidamos os gatos e eles caçam os ratos.
A colónia foi dizimada, por acção de gente estúpida e má, e logo começaram a aparecer os resultados: os sistemas eléctricos dos carros roídos pelos ratos.
Os gatos desta colónia são gatos felizes e saudáveis, alguns bem sociáveis: gostam imenso de festinhas apesar de sempre terem vivido na rua; e nunca conheceram veterinário, vacinas, rações especiais, etc. etc.. Comem o que há e é possível arranjar… cozido com massa. Às vezes comem ração que uma ou outra pessoa oferece.
Apesar desta utilidade, evidente, dos gatos de rua, todas estas “tratadoras”, amigas dos animais, se sujeitam a maus tratos e insultos, por parte de gente estúpida, que não quer que os animais sejam alimentados. Até a Polícia Municipal, paga com os nossos impostos, se apresenta a importunar estas pessoas, por tratarem os animais; e que prestam um serviço inestimável á comunidade, substituindo as instituições que deviam cuidar desse assunto, de forma organizada e esclarecida.

Mas este texto é para vos contar a “história” da gatinha Joana, sequestrada pelos carrascos da União Zoófila.
Por motivos que não vou relatar agora, desloquei-me à sede da União Zoófila, no dia 24 de Março e encontrei, por acaso, a gatinha Joana. Eu ia às cegas, à morada da U.Z. retirada da lista telefónica, com a intenção, mal amadurecida, de apadrinhar um cão e um gato, respondendo aos muitos apelos do site da U.Z.
A gatinha Joana estava para consulta.
É linda a Joana e eu disse-lhe isso!
A pessoa que a acompanhava logo informou que a gatinha tinha sido abandonada e que estava na U.Z. para adopção. Trocámos números de telefone e eu achei que ia ficar com a gatinha, apesar dos MUITOS condicionalismos e respectivas delongas na concretização da adopção, que não me agradaram.

No mesmo dia tentei saber os resultados dos testes da gatinha e como estava.
Então era assim: a gatinha é FIV e FeLV negativa, mas não podia ser vacinada porque não tinha peso suficiente. Logo: teria de ir para a “engorda”.
Achei que, se ia ficar com a gatinha, podia e DEVIA, tratar dela de imediato. Por isso tentei formalizar a adopção. Levantou-se um muro de impedimentos. Eu até podia adoptar um de vários outros gatos, mas não a Joana. Porquê? Porque a gatinha ainda não tinha sido esterilizada nem se sabia quando poderia sê-lo, devido ao baixo peso.
Como aconteceria com qualquer cidadão normal, que se preze, e que exija o respeito que lhe é devido pelos seus direitos e critérios, achei um absurdo. Se eu ia ficar com a gatinha porque não poderia cuidá-la e decidir da necessidade, ou não, de esterilização e quando fazê-la?

Entre ditos e desditos, desculpas esfarrapadas e histórias mal contadas, acabei concluindo que a gatinha estava sequestrada pelos carrascos da União Zoófila, de cujas mãos não poderia sair inteira, sem ser esterilizada, nem que isso comprometesse, definitivamente, as suas possibilidades de adopção, de ser socorrida; nem que isso comprometesse, comprometa, as suas hipóteses de sobrevivência.
A sobrevivência e o bem-estar da gatinha não interessam nada perante o “superior” objectivo de castrar e esterilizar.
Na União Zoófila, a palavra de ordem é: Esterilizar e castrar, a qualquer custo, a todo o custo, até à extinção total dos gatos.
O critério de quem adopta não interessa nada. Aquela gente da União Zoófila são semi-deuses, seres superiores, que se arvoram o direito de tratar com a mesma arrogância e desprezo, de maltratar, os animais que lhes caiam nas mãos e os vulgares seres humanos que se candidatem a adopções.
O Objectivo maior e absoluto é, segundo dizem: não deixar proliferar os gatos. A julgar pelo fanatismo, injustificado, com que me confrontei, eu acho que é: extinguir os gatos.
Essa gente odeia animais, de certeza!

Tentei de tudo para socorrer e resgatar a gatinha Joana, mas aquela gente da U.Z. quer transformá-la em “Joana D’Arc” e então disseram-me que tinha ido para uma FAT e que já tinha adoptantes… Tudo para que possa ser esterilizada antes de ser entregue para adopção.

FAT e adoptantes? Sei! Certamente tudo gente da mesma seita, inimigos dos animais, que colaboram e se submetem ao objectivo maior: esterilizar e castrar, a todo o custo, até à extinção total.

A União Zoófila tem cerca de 200 gatos em cativeiro, castrados e esterilizados, respectivamente, condenados à extinção. Nalguns casos, como acontece com a gatinha Joana, são estas exigências, absurdas e pérfidas, insultuosas para com quem quer adoptar, que comprometeram definitivamente as possibilidades de adopção.

A União Zoófila tem cerca de 200 gatos em cativeiro, castrados e esterilizados, respectivamente, condenados à extinção. Alguns deles, compreendendo o drama, irreversível em que estão e em que está a sua espécie, já optaram pelo suicídio: recusam-se a comer. Como eu os compreendo!

A União Zoófila tem cerca de 200 gatos em cativeiro, castrados e esterilizados, respectivamente, condenados à extinção, em situação que contrasta, flagrantemente, com a felicidade dos gatos de rua que conheço.

A União Zoófila tem cerca de 200 gatos em cativeiro, castrados e esterilizados, respectivamente, condenados à extinção; e eu pergunto-me o quanto não poderiam todos estes gatos fazer de útil, pela desratização da cidade, se integrados em colónias de rua, com alguém que os cuidasse e vigiasse… e o quanto isso não os faria mais felizes.

Certamente não seria o caso da gatinha Joana, tão frágil e descrita no site da U.Z. como raquítica. O caso da gatinha Joana, que até pode nunca necessitar ou justificar esterilização, serve só para ilustrar os objectivos fundamentalistas, obcecados e totalitários de esterilização e castração, de extinção, aplicados cegamente e levados ao extremo sem olhar a consequências.
Foi a minha experiência com este caso da gatinha Joana que me fez acordar para esta realidade, perceber esta realidade da exterminação, metódica e programada, fanática, dos gatos.

Há mais gente, por aí, empenhada na esterilização e extermínio dos gatos de rua, sem olhar a consequências. Até fazem campanhas de angariação de donativos… Se os encontrar, recuse ajudar e denuncie este propósito pérfido de extinguir os gatos.
Não há gatos de rua a mais! Bem pelo contrário; continuamos a tropeçar, em pleno dia, em ratazanas do tamanho de coelhos, aí pelas ruas da cidade.
Ratos pela cidade? Usam-se venenos porque as respectivas fábricas necessitam de vender e aquela gente da Câmara “necessita” de fazer umas negociatas…

Ratos pela cidade a ponto de tropeçarmos neles em pleno dia? Usam-se venenos! Perigosos para pessoas, para os animais domésticos e para o ambiente? Não importa! É necessário fazer umas negociatas e as fábricas de venenos precisam de os vender e espalhar por aí…

Por tudo isto, o meu conselho é: se quiser socorrer algum gato abandonado, tente encontrar-lhe uma colónia de gatos de rua onde possa integrar-se, que ele tem possibilidades de ser muito mais feliz, e útil, do que se cair nas mãos dos carrascos da U.Z. e seus voluntários. Sobretudo salve-o dessa gente.

Quanto aos animais sequestrados pela U.Z. não adianta tentar socorrê-los. Numa boa parte dos casos essa gente já destruiu as possibilidades desses animais; mas mesmo que não seja o caso, você tem de se dispor a ser humilhado e maltratado para socorrer um animal desses; e mesmo assim só depois de o bicho ter sido “mutilado”, independentemente do seu critério.
Você percebe! O humano comum não tem nada que ter critérios! Eles é que sabem, são doutra espécie, são donos e senhores absolutos dos animais e até são “donos” de quem tenha a veleidade de se candidatar à adopção de algum animal! Se estão empenhados numa cruzada pelo extermínio dos gatos, esse objectivo deve ser colocado acima de tudo, contra tudo e contra todos, se necessário for.

Fiz tudo, os possíveis e os impossíveis, para socorrer a gatinha Joana. Nada adiantou. Está sequestrada nas mãos daqueles carrascos que não a largarão sem esterilização, nem que isso implique que ela morra antes.

"A grandeza duma Nação e o seu progresso moral podem ser avaliados pela maneira como os seus animais são tratados"
Mahatma Gandhi


Pois… Se até as pessoas são tratadas abaixo de cão, não surpreende que, nalguns casos, seja isso mesmo que têm para “partilhar” com os animais.

Chat Gris disse...

Cheguei aqui através do Caniche...belas fotografias e belos bichanos...

Indya disse...

Encontrei este blog enquanto andava em pesquisa sobre gatos.
As fotos são maravilhosas.
Entretanto li um comentário sobre a U.Z da Biranta.

Sem querer comentar sobre os propósitos da U.Z. (e como não conheço não posso pronunciar-me a respeito)parece-me contudo que o propósito da castração não será assim tão incorrecto, pelo menos na experiência que tenho e que é a que posso referir.

Vivo no Funchal e sou tratadora de uma colónia de gatos que ficam muito próximos da zona onde resido.

Inicialmente, comecei por alimentá-los todos os dias.
Contudo, verifiquei que, infelizmente, a colónia sofria imenso com as gravidezes seguidas das gatas que mal tinham tempo de recuperar entre as diversas gestações.
As condições dos gatos vadios são muito difíceis, mesmo quando alimentados diáriamente. As crias morriam quase todas e raramente escapavam algumas. Das que escapavam, os mais jovens, e mais inexperientes, tinham maior tendência a morrer atropeladas, ou mortas por cães vadios, não chegando a completar dois anos de idade. Bebés chegavam a ser despedaçados. Alguns consegui apanhar para adopção mas a maioria é tão selvagem que desaparece nos terrenos circundantes.
Os machos envolviam-se em lutas terriveis na altura dos cios, sem contar com a transmissão de doenças que comprometem para sempre o seu sistema imunitário.
Epidemias de sarna obrigaram-me a deitar ampolas na nuca dos gatos mais mansos para reduzir o problema.
Como conhecia todos os gatos um por um, e quais as fêmeas gestantes, não foi muito complicado chegar à conclusão que, em menos de dois anos terão desaparecido e morrido cerca de trinta e tal gatos que não foi possível proteger. Esta é a realidade de uma colónia de rua e que eu desconhecia totalmente.
Em virtude desta mesma realidade a minha irmã e eu, em conjunto com uma clínica veterinária, resolvemos castrar as fêmeas da colónia,assumindo os custos envolvidos.
Não me arrependo de o ter feito. As gatas tornaram-se mais felizes e descontraídas. As brigas dos machos reduziram. A minha preocupação com as crias também deixou de existir, sobretudo no Inverno. E assim também é mais fácil protegê-los de quem não gosta de gatos. Em frente existe um bloco de apartamentos e fui comunicando às pessoas o que estávamos a fazer. Isso foi muito positivo para que a aceitação dos gato melhorasse.
Neste momento não se pode falar em extinção. Infelizmente há tantos, mas tantos gatos vivendo em tão miseráveis condições que a sua vida nem sempre é valorizada como merece.
Ando sempre atenta relativamente aos 13 membros da colónia. Choro os que vou perdendo e levo ao veterinário os que precisam, conforme é possível, pois nem sempre é fácil apanhá-los.
São todos muito especiais.
A última "menina" que morreu tinha aprendido a gostar das minhas festas há pouco tempo, pois era muito selvagem. Já pedia carinho e foi morta por cães vadios numa noite de chuva brutal.
Mais uma vez, saliento apenas que esta é a minha experiência e, portanto, não posso dar opiniões sobre o que desconheço, como é óbvio.
Parabéns pelo blog!

Sandra Afonso disse...

Nossa que fotografias lindas e encantadoras!! Linda gatinha!!