sábado, novembro 25, 2006

ADEUS, SININHO

Este gato lindo adoeceu recentemente e não foi possível restituir-lhe a saude. Acaba de se separar dos Donos após quase dez anos de vida comum. Como todos os gatos, vai para o Céu.
Este Verão cuidei do Sininho nas férias dos Donos. As fotografias datam dessa altura - Julho, e o Sininho estava no seu sofá preferido, a meditar após ter almoçado.
Personalidade forte, era o chefe da banda incontestado: sempre o primeiro a comer, sempre preparado para impôr a sua autoridade quando algum dos companheiros infringia as regras...

Já tenho saudades dele, agora que não me vai voltar a receber à porta de casa. Em Julho transpirava saude e boa disposição, bem conservado e bonito nos seus nove anos. Tinha sido encontrado no Algarve, em cima de uma árvore. Pequenino. Engraçado. Ganhou uma família e trocou o Sul por Lisboa.
Foi um gato feliz. Ainda há dias era um gato feliz.
É tão frágil a vida, tão ténue o fio que nos separa da não existência, tão incerta a contínua sucessão dos dias até ao último. Mas vale a pena, cada dia um rol de oportunidades que tendencialmente desvalorizamos em detrimento de coisas menores que nos vão caracterizando as rotinas.
Um sábio, o Sininho conhecia bem as limitações da existência. Viveu regalado num conforto ocioso rodeado de mimos, foi feliz..., e como todos os gatos, vai hoje para o Céu.
Fotos e palavras do Gatopardo - 2006

14 comentários:

cinderela-dos-pes-grandes disse...

Sininho estará decerto no Timbuctu dos gatos... É sempre difícil perder alguém, mesmo que seja ALGUÉM não humano...
É como diz: foi feliz. Isso é um conforto!

escorpiaotenhoso disse...

Cinderela,
É verdade, espero que os Donos não fiquem muito tristes, e que os seus dois companheiros de gatarias não se deixem deprimir...

Gatopardo

PAH, nã sei! disse...

como penso eu, todos os dias, nesse momento em que me terei que despedir de alguma das minhas bonecas...
Apenas lhes peço mais um dia... dia atrás de dia... só um mais da sua doce companhia...

Alexa disse...

É sempre triste quando perdemos um membro da nossa famíliam ou um amigo... mesmo que seja, "apenas" um animal!

Lembro-me que quando morreu o Garoto, o primeiro gato que tive em casa da minha mãe, quase adoeci de dor.
Este ano, já faleceram 2 dos gatos da minha mãe. E é sempre com um imenso aperto no coração que os vemos partir.

Que o Sininho possa continuar a velar pelos seus donos, lá no Céu dos Gatinhos.

Bjs

escorpiaotenhoso disse...

Pah,

Sei bem o que isso é. Felizmente os meus gatos cá em casa tem conseguido envelhecer. A NINA, a menos jóvem, faz 18 anos em Março, mas continua com óptimo aspecto...

Gatopardo

escorpiaotenhoso disse...

Alexa,

Custa muito. Aconteceu o mesmo com o nossos primeiro gato, que durou 18 anos e tinha a mesma idade que eu. Foram muitos anos de brincadeiras. Ficou a memória.

Gatopardo

Galufi disse...

Gatopardo, es verdad, la fragilidad de la vida nos persigue sin descanso. Tus hermosas palabras me trajeron a la memoria unas de Auster, las del final de su libro "la invención de la soledad": "Fue. Nunca volverá a ser. Recuérdalo.". Es como un imperativo, un deber.
Los dueños de Sininho y vos se quedan con su recuerdo y la felicidad de saber que fue un gato feliz... Es duro despedirse de un amigo para siempre, sabemos que no existen lenguajes, ni gestos para las despedidas. Un abrazo fuerte para vos y el mejor recuerdo para Sininho, gato sabio, gato lindo, gato feliz.

escorpiaotenhoso disse...

Galufi,

Este gato sábio chamado Sininho diria pela leitura das tuas palavras que és uma poeta. E faria ronron, satisfeito, comovido...

Gatopardo

zeni disse...

Uma perda insubstituível, como são todas as perdas de quem amamos.

Partem, mas ficam na memória e no coração...

Rodrigues disse...

:(

cãorafeiro disse...

uma bonita homenagem. quando morrer, quero uma igual.

escorpiaotenhoso disse...

Zeni,

É sempre assim, mesmo naquelas situações em que, depois de mortos os maiores trastes passam a boas pessoas... Mas este meu amigo era mesmo muito engraçado. E conhecia-o desde pequenino...

Gatopardo

escorpiaotenhoso disse...

Cão Rafeiro,

Obrigado pelo comentário. Mas vai ser difícil você ter uma homenagem semelhante. Primeiroos cães da sua raça são imortais. Depois, pela ordem natural das coisas o Cão Rafeiro ilustre deverá sobreviver a este Gatopardo...

Beijinhos

Dora Rafael disse...

O sininho era tão parecido com a Cleo, uma gatinha quea familia adoptou faria agora 19 anos. faleceu o ano passado, mas tal como o sininho teve uma vidinha repleta de mimos e felicidade. É o que nos conforta o coração quando as saudades apertam. Entretanto, o unico "mano" da Cleo - O João Pimenta - ganhou dois novos "maninhos" o Joaquim Silvestre e a Emilia, gatinhos que escaparam a uma vida de infortúnio e sofrimento. esta situação passou-se com os meus pais, quanto a mim tenho uma prole de 4 felideos e 2 canideos e nem quero pensar quando for a altura de um dos meus meninos nos deixar.

Um grande beijinho para os donos do sininho, pois ele certamente estará a velar por eles lá do seu céu.